Você está aqui

Minirredes híbridas

O uso de minirredes híbridas tem despertado interesse de concessionárias de energia elétrica por permitir o aproveitamento dos recursos renováveis existentes na comunidade. Tradicionalmente, a maioria das minirredes existentes no Brasil utiliza acoplamento misto (corrente continua e alternada, CC-CA), onde as fontes renováveis de energia são acopladas num barramento CC com o banco de baterias funcionando como componente central, semelhante ao indicado na seguinte figura:

                                             

Sistema híbrido para fornecimento de energia elétrica em CA com as componentes solar e eólica ligadas diretamente no lado CC, e acoplamento misto CC-CA.

Uma alternativa à configuração mista, CC-CA, é trabalhar com todas as cargas e geradores acoplados de forma independente num barramento CA, conforme a seguinte figura:

                                             

Sistema híbrido com estrutura modularmente expansível com componentes acoplados diretamente no lado CA.

A comparação entre os sistemas com acoplamento misto CC-CA com acoplamento puramente em CA permite identificar que o acoplamento CA tem algumas vantagens, como por exemplo: padronização do acoplamento de diferentes componentes, compatibilidade com a rede elétrica convencional e maior flexibilidade na expansão do sistema.

Para muitas comunidades isoladas brasileiras, principalmente na região amazônica, a implementação de sistemas por minirredes com acoplamento CA poderá ser uma opção competitiva. No entanto, a ausência de estudos sistemáticos da operacionalidade desses sistemas tem freado sua difusão e adoção. Nesse contexto o LSF-IEE/USP está concluindo a instalação, em sua área de testes, de uma minirrede com acoplamento CA para estudar as particularidades desses sistemas e realizar cursos de capacitação.